Novembro Azul e seu cachorro – Fique atento

Novembro Azul e seu cachorro – Fique atento

O Câncer de próstata também pode ocorrer nos pets 

O novembro azul é um movimento de conscientização a respeito de doenças que afetam a saúde do homem, com ênfase na prevenção do câncer de próstata. Mas não são apenas os humanos que precisam passar por exames preventivos. Isso porque esse tipo de câncer também se desenvolve nos animais domésticos.

Novembro Azul – mês de conscientização

No entanto, a incidência é maior em cães de grande porte. Normalmente, os sintomas começam a surgir nos pets mais idosos, entre 8 e 12 anos. O tumor apresenta alto grau de malignidade, causando metástases, ou seja, afetando vários outros órgãos.

Mas nem toda Hiperplasia Prostática (aumento da próstata) é maligna. Os cães e gatos adultos não castrados podem ser afetados por Hiperplasia Prostática Benigna (HPB), uma condição que, embora não seja fatal, provoca diversos sintomas que prejudicam muito a qualidade de vida do pet. Mesmo que o cão ou gato desenvolva essa patologia, a chance da Hiperplasia se tornar um tumor maligno é pequena.

Evite o câncer

É importante salientar que 90% das doenças de próstata podem ser evitadas com a castração do pet ainda no primeiro ano de vida. Sem a castração, animais machos tem 80% de chance de ter distúrbios de próstata na idade adulta, a partir dos 8 anos.

A próstata é uma glândula que se localiza logo abaixo da bexiga. Qualquer alteração, ela comprime a bexiga provocando diversos sintomas.

 

FIQUE ATENTO AOS SINTOMAS

  • Urinar com frequência
  • Fazer força ao urinar ou defecar
  • Sangue na urina
  • Modificação no jeito de caminhar
  • Inchaço abdominal
  • Constipação
  • Fezes planas em função da compressão do ânus pela próstata
  • Febre
  • Vômito
  • Emagrecimento progressivo
  • Feridas que não cicatrizam
  • Perda de apetite
  • Cansaço

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico do câncer de próstata ou da Hiperplasia Prostática Benigna é feito através de ultrassonografia abdominal, podendo ser necessária também a realização de exames de sangue, urina e/ou raio X.

TRATAMENTO

O tratamento para os casos de Hiperplasia Prostática Benigna é a castração. Existem ainda medicamentos que diminuem temporariamente o aumento da próstata, cujos efeitos colaterais devem ser esclarecidos por um médico veterinário.

No caso do câncer de próstata, ainda que sejam pouco comuns na rotina veterinária, o diagnóstico é feito por análise histopatológica. O prognóstico é quase sempre desfavorável e o tratamento, quando possível, é cirúrgico.

PREVENÇÃO

Se o seu cão ou gato tem 7 anos ou mais de vida leve-o para uma consulta de avaliação preventiva com o veterinário de sua confiança, mesmo que ele não apresente os sintomas da doença.

Uma consulta deste tipo poderá incluir exames laboratoriais de sangue e urina, exame de imagem e radiografia.

Fontes e Indicações:

Cão.com e G1

http://www.sanoldog.com.br/812/novembro-azul-dos-pets/

Coprofagia – Seu cão come cocô?

Coprofagia – Seu cão come cocô?

A coprofagia é o hábito que muitos cachorros adquirem de comer suas próprias fezes, o que pode deixar muitos donos assustados. Além disso, o hábito pode ser desenvolvido por diversas razões. Antes de tudo é interessante deixar claro que, apesar de parecer nojenta e perigosa, a prática não apresenta necessariamente um risco para a saúde do seu cãozinho, salvo em casos onde as fezes possuem parasitas ou algum transmissor de doença que ao serem ingeridos podem trazer problemas para a saúde do seu pet.

Existem alguns fatores que levam os cães a comerem as suas próprias fezes ou as de outros cães. Para eles, isso é algo muito natural. A própria mãe, no pós-parto, come as fezes dos filhotes para manter o local limpo.

Como o caso não é este, vamos avaliar outras possíveis causas.

Nutrição

É possível que algum nutriente em falta em seu organismo, que ela esteja buscando no cocô.

Pressa

Observe também se seu cachorro come muito rapidamente a sua refeição. Caso isso ocorra, pode ser que nas fezes dele a ração ainda não esteja totalmente digerida, o que as torna interessantes… Para melhorar a situação, busque comedouros lentos como forma de incentivar seu cachorro a mastigar melhor a sua comidinha.

Chamar a atenção

Alguns cães tentam chamar a atenção de seus tutores de muitas formas. E quando eles comem as próprias fezes, ficamos desesperados e paramos tudo o que estamos fazendo para dar uma bronca, afinal, para nós, a atitude é horrível!

Neste momento acabamos reforçando o comportamento indesejado, porque para ela é preferível levar uma bronca e ter o que tanto deseja: a sua atenção.

Neste caso, a indicação é melhorar o ambiente do seu cachorro. Você pode fazer isso inserindo mais enriquecimento ambiental (brinquedos de roer, de rechear, interativos ou de corda), aumentando a quantidade de passeios, para que ela tenha um gasto maior de energia, além de investir em brincadeiras dentro de casa.

Imitação

Na hora da limpeza, o ideal é não arrumar o banheiro dos pets na frente deles. Ou seja, não devemos pegar o cocô rapidamente depois que ela faz, pois a atitude pode incentivá-la a comer suas fezes achando que aquela é uma brincadeira de disputa por algo valioso. O ideal é manter a calma na limpeza e fazê-la longe do animal, além de buscar soluções alternativas.

Existem também alguns medicamentos para coprofagia que podem ajudar (fale com o seu veterinário sobre as melhores opções).

Punição

Alguns tutores acabam ficando bravos e brigando com os seus pets quando eles evacuam no local errado. Você já pensou que o seu cão pode estar comendo o cocô para escondê-lo e evitar a bronca?

Nestes casos, contrate um profissional para ensinar o seu pet de forma correta e positiva onde é o lugar certo para se aliviar. Nunca, em hipótese alguma, brigue com os seus bichinhos por errarem o banheirinho, pois eles podem entender errado e desenvolverem comportamentos bem piores.

Tédio, estresse ou ansiedade

Às vezes, nossos cachorros ficam entediados, estressados ou ansiosos. O que é bem comum, principalmente levando em consideração a nossa rotina corrida e, consequentemente, o pouco tempo dedicado aos amigos de quatro patas.

Se preocupe em manter um local divertido para ele brincar, com bastante desafios e passatempos de texturas diferentes. Quando você estiver em casa, em vez de dar a comidinha no pote, ofereça um brinquedo recheável, como o Kong, garrafa pet ou petball, para que ele gaste energia mental e física ao se alimentar.

Para interagir com ele, faça brincadeiras de caça, escondendo petiscos pela casa e fazendo-a procurar pelo faro. Faça muitos passeios com ele, ou se não tiver tempo, contrate um profissional para isso!

Além disso, dependendo da situação, troque a ração por outra marca (recomendada pelo veterinário) para fazer um teste e aposte em alguns alimentos como o mamão e o abacaxi, que deixam um odor característico nas fezes nada agradável aos pets.

 

Como resolver essa questão?

Para tratar a coprofagia por alteração comportamental é bom seguir algumas dicas como:

  • Diminuir o acesso do animal às fezes, descartando os dejetos imediatamente, mantendo a limpeza do local onde o animal vive adequado. Higiene é fundamental;
  • Evite que o animal o veja limpando as fezes, para que ele não tente imitá-lo;
  • Passear com o animal sempre de coleira, para que você possa facilmente retirar o animal de áreas onde já tenham fezes de outros animais ou até afastá-lo das próprias fezes;
  • Focinheira e enforcador nos passeios à rua;
  •  Não deixe seu animal por muito tempo sozinho, carência, solidão e estresse são fatores que podem desencadear o comportamento patológico;

Lembrando que, antes de qualquer medida, o veterinário sempre deve ser consultado a fim de descartar a possibilidade de doenças e para orientar a respeito de uma alimentação balanceada!

View this post on Instagram

Fique atento!

A post shared by Matilha Fiel (@matilhafieloficial) on

Fontes e Indicações de leitura:

https://www.petz.com.br/blog/saude-e-cuidados/coprofagia-causas-e-o-que-fazer-para-que-o-cao-pare-de-ingerir-as-proprias-fezes/

https://www.bitcao.com.br/coprofagia-canina.html

https://canaldopet.ig.com.br/cuidados/saude/2016-07-21/coprofagia.html

https://www.petlove.com.br/dicas/coprofagia-por-que-meu-cachorro-come-coco

https://caocidadao.com.br/dicas/coprofagia/

https://caocidadao.com.br/dicas/coprofagia/

 

Bater no seu cão – Nunca faça isso.

Bater no seu cão – Nunca faça isso.

Um erro muito comum entre os tutores de cachorros é acreditar que a punição usando castigos físicos, como bater nele é normal e surte efeitos positivos na educação do cachorro, como por exemplo, melhorar o passeio com ele.

O castigo físico foi usado durante muitos anos como forma de direcionar os cães às atitudes corretas e tirar os vícios que incomodavam na convivência com a família e, com o tempo, muitos castigos foram considerados violentos e banidos quase que completamente dos treinamentos e convívio familiar.

Bater resolve?

Para começar, bater não corrige. Pode causar um susto na hora, causar medo, mas não é um método que garante o entendimento do animal sobre repetir ou não o que causou a agressão.

Olha isso…

Além disso, bater no seu cachorro pode causar danos irreparáveis: traumas físicos, causados pela força desmedida que podemos usar na hora do nervosismo, somada a delicadeza da anatomia do cachorro, que não é preparada para isso.

E o trauma psicológico, que pode ser ainda mais trabalhoso. Um cachorro que apanha pode se sentir indesejado, especialmente quando não entende o porquê do castigo. Dessa forma o animal não vê propósito na punição. Também pode desenvolver medo do tutor e aversão a pessoas, podendo se tornar recluso ou agressivo.

A reação do cachorro também é imprevisível e pode ser prejudicial ao tutor ou aos outros animais na casa.

Bater não é seguro para o cão

É relativamente fácil machucar um cão quando se bate nele. Raramente conseguimos controlar nossos movimentos com precisão tal que provoquem apenas desconforto. Imagine uma pessoa dando uma joelhada no tórax do cão para ele parar de pular em cima dela (técnica descrita por diversos livros de comportamento!). Dependendo da velocidade com a qual o cão veio para cima de você, a força do seu joelho no tórax dele pode se multiplicar e até provocar uma fratura de costela! Tapas no focinho também podem machucar, se forem fortes demais ou em região mais sensível. Muita gente bate mais forte quando está com raiva, o que aumenta ainda mais a possibilidade de exageros.

É possível adestrar seu cachorro para fazer qualquer coisa, como passear sem puxar por exemplo! Confira uma sessão de um cliente nosso, que é um Pastor Belga forte. Nós não batemos em animais. Trabalhamos no princípio de matilha, que é como o cachorro vive. Buscamos a obediência do cão pela liderança e atitude da nossa parte.

Punição ideal

É a punição que faz o cão evitar determinado comportamento ao associá-lo com algo desagradável. A punição deve ser segura, no sentido de não haver possibilidade de machucar o animal nem a pessoa. Deve ser também clara, no intuito de educar, de inibir um comportamento, e não de vingar-se nem de extravasar raiva.

Um exemplo clássico é o do xixi fora do lugar. Quando acontecer, você deve dizer firmemente ao animal que “não”. Animais memorizam melhor se a palavra for simples e se você usar sempre a mesma. Não grite ou bata. Depois, leve-o até o local correto e diga “aqui”, mas dessa vez com a voz mais macia e até mesmo acompanhado de um carinho ou demonstração de aprovação. Acredite, seu cão associará o seu tom e suas atitudes com o local correto e, com o tempo, irá por vontade própria.

Confira outra dica, para o caso do seu cão pular em você, na descrição do post abaixo:

View this post on Instagram

Como ensinar o cachorro a não pular nas pessoas? Treinamento diário é da responsabilidade do tutor fazer seu cacahorro entender quais atitudes não são aceitas. Entenda que pode parecer fofinho ter seu cachorrinho pulando em você, demonstrando muita alegria, é uma alegria como tutor. Porém seu cachorro vai crescer, ficar maior, mais forte, e isso pode se tornar um grande problema, tanto para você, quanto para visitas por exemplo. Para isso siga essas instruções simples: 1 – Ignore o cachorro quando você primeiro entrar em contato com ele até que se acalme. Pouco a pouco, ele entenderá que a maneira certa de se comportar quando entrar em contato com você é esperando calmamente. 2 – Quando o cachorro pular em você, vire de costas ou mude de direção. Não interaja com ele! Se for necessário tirar o seu cachorro de cima de você, calmamente, remova-o, porém, em nenhum momento, fale com o seu cão. 3 – Sempre recompense os comportamentos desejados. Quando o seu cachorro estiver calmo, dê-lhe atenção e/ou petiscos. Logo, ele associará esperar calmamente, sem pular, com receber muito carinho e atenção. Lembre-se: Esses passos, devem se tornar HÁBITO na sua vida. Caso contrário seu cachorro não vai levar a sério. Siga @matilhafieloficial Já viu nosso site? www.matilhafiel.com.br Nosso face? facebook/matilhafiel #matilhafiel #passeadoresdecaes em #boituva #passeadordecaes #educacaocanina #comportamentocanino #adestramento #adestramentocomportamental #trainyourdog #quemamacuida #amoranimal #vidaquatropatas #quatropatas

A post shared by Matilha Fiel (@matilhafieloficial) on

Fontes e Indicações de leitura:

https://www.maxtotalalimentos.com.br/dica-cao/comportamento/bater-nao-e-educar/

https://tudosobrecachorros.com.br/o-tapa-como-punicao-nao-bata-no-seu-cao/

https://www.clubeparacachorros.com.br/adestramento/podemos-bater-no-cachorro-para-educa-lo/

https://www.bitcao.com.br/blog/como-corrigir-um-cachorro-em-maltratar/

 

Os 3 perfis básicos de cães

Os 3 perfis básicos de cães

 

Você conhece os 3 perfis básicos encontrados nos cães. São os cães dinâmicos, hiperdinâmicos e apáticos. Confira a descrição de cada um deles, e veja qual bate com seu cachorro:

1- CÃES DINÂMICOS

Esses são, geralmente os cães que mais amam interagir, São cães que respondem de maneira

ótima às estimulações. São cães que no momento em que não estão em trabalho, em atividade, estão em repouso tranquilo, porém quando estimulados, sobem o desejo pelo trabalho rapidamente.

Eles precisam de exercícios moderados, passeios regulares, para ter melhor qualidade de vida! Se você não tem tempo de dar esse estímulo para seu cachorro, e mora em Boituva, nos mande uma mensagem! Podemos ajudar!

2 -CÃES HIPERDINÂMICOS

São cães que muitas pessoas podem até confundir com os cães dinâmicos, por serem cães animados, agitados. Porém esses cães ficam o tempo todo “ligados no 220v”. São geralmente agitados. Um outro fator a ser observado nesses cães é a falta de concentração, Geralmente tem uma dificuldade de se concentrarem, mas há a  possibilidade de terem essa concentração bem treinada e podem até ficar bons, como os dinâmicos.

Também são animais que amam interagir e mostram muito boa vontade de trabalhar.

Eles precisam de muito exercício, passeios regulares, para ter melhor qualidade de vida! Se você não tem tempo de dar esse estímulo para seu cachorro, e mora em Boituva, nos mande uma mensagem! Podemos ajudar!

3 – CÃES APÁTICOS

São cães que podem ter problemas de interação com as pessoas, não demonstram interesse muito grande nas aulas de adestramento, não se mostram muito motivados frente a estimulações positivas. Enfim, mais
desinteressado e as vezes desanimado.

Esses cães, muitas vezes por não responderem bem às estimulações positivas, acabam recebendo um treinamento mais básico e objetivo, por meio de estimulações negativas. Não é a forma ideal de se ensinar os cães, mas também não é impossível de se usar esse recurso. Ele também acaba aprendendo por meio de um jogo de pressão de guia e alívio de guia.
Então acabam entendendo que quando fazem um determinado comportamento, um exercício aprendido, serão aliviados imediatamente do uso da pressão exercida.

Fontes e Indicações de leitura:

Cães apáticos

5 raças de cães que têm mais energia

 

Você conhece o período social de todo cão?

Você conhece o período social de todo cão?

Os cachorros são amigos de estimação maravilhosos e merecem todos os cuidados. Para que possamos ter uma convivência saudável com eles é importante conhecermos algumas questões comportamentais. Conhecer o período social é essencial.

 

O que é socialização?

A socialização é tornar o animal sociável e acostumado com os diversos estímulos a que estamos submetidos em uma vida em sociedade.

Cães diversos. Foto: Dora Zett / Shutterstock.com

Período social – Oque você precisa saber.

Esse período é muito importante e talvez você não saiba disso. Esse período vai até por volta dos 90 dias de vida dos filhotes. Por isso devemos ter todo esse cuidado, desde o cuidado com a mãe e seus filhotes e com o manejo desses filhotes, oferecendo um excelente período neo natal e ao entrarmos no período social, o nome mesmo já diz, cuidarmos da
socialização do filhote.

Por isso, é extremamente importante darmos atenção a esse momento da vida do filhote, proporcionando o máximo de experiências positivas, frente as adversidades, para que cresça um animal mais seguro, confiante e curioso em situações de adversidades.

Se você se dedicar nessa primeira fase e apresentar o mundo ao seu cão e habitua-lo a ele, terá andado meio caminho para o sucesso da vida e bem estar do seu cão. Começar certo faz toda a diferença, para o êxito em qualquer adestramento canino. Lembre-se, tudo ficará marcado na vida do filhote e essas marcas o acompanharão para toda a vida.

Perdi essa janela de oportunidade… e agora?

Um cão que perdeu essa fase, pode ser exercitado também, mas talvez tenha um rendimento diferente de um cão que foi dada a devida atenção nessa fase tão importante da vida.

Imagine um cãozinho que mora há dois anos com outro cão. O que ele aprender, apenas com o outro cão, sobre relacionamento e linguagem canina será suficiente para se relacionar adequadamente com outros cães? Certamente não. Qualquer cão diferente que ele venha a conhecer poderá ser assustador. Seria o mesmo se disséssemos que conhecer apenas uma pessoa em nossa vida seja suficiente para conhecer a espécie humana e sabermos lidar com toda a sua complexidade.

O mesmo vale em relação à ambientes. Uma pessoa que nunca saiu de casa, dificilmente se comportará adequadamente fora dela.

Socialização ativa, a melhor opção

A socialização ativa não é só acostumar o cãozinho aos estímulos, mas fazer com que ele os aprecie. Por exemplo, passar uma tarde no parque brincando com outros cães e pessoas.

Ou, ao passar um ônibus barulhento ele ganha um petisco. Repetindo algumas vezes, o cãozinho pode começar a se sentir a vontade na presença de ônibus em movimento e, muitas vezes, passa até a gostar de estar nesta situação.

O mesmo vale para pessoas (de idades e estilos diferentes), cães, motos, carrinhos de bebê, etc. Tudo aquilo a que nós, humanos, já estamos acostumados e nem nos preocupamos mais.

Somente dar um petisco para o cão na presença dos estímulos é suficiente? Ainda não. Estaremos criando uma associação positiva, mas, isso ainda não é socialização ativa.

A socialização ativa ocorre quando o cão interage de forma saudável e agradável com os estímulos.

View this post on Instagram

Boa noite!

A post shared by Matilha Fiel (@matilhafieloficial) on

Como fazer para socializar ativamente meu filhote?

1. O primeiro passo é comprar seu cãozinho apenas depois de sessenta dias de idade.

Ele precisa ficar até pelo menos sessenta dias com a mãe e irmãos. Não recomendamos comprar filhotes que não conviveram até esta idade.

Essa primeira fase de socialização é muito importante. O filhote aprenderá a linguagem canina básica (sim, ela existe!) com a mãe e os irmãos. Um filhote que passou bastante tempo nesse ambiente raramente vai ser do tipo que, brincando, morde os braços dos donos até machucar. Costumam ser muito mais equilibrados e fáceis de treinar, cedem com mais facilidade, são menos insistentes e aceitam melhor nossas propostas de treino.

2. Brincar com cães equilibrados.

Cães equilibrados são aqueles que não apresentem agressividade e dos quais seus donos tenham o mínimo controle. Opte por filhotes de amigos, ou cães que estão acostumados ao convívio pacífico com outros cães em praças, viagens, etc. Evite aqueles que apenas ‘suportam’ a presença de outros cães, mas na hora de interagir costumam dar aquele aviso ‘Aufff’ para o cãozinho se afastar. Você precisa colocá-los juntos de duas a três vezes por semana.

Escolha um local cercado e sem interferência de outros estímulos (que possam assustar) e de outros cães. Deixe-os brincar bastante, até cansar. Supervisione a brincadeira para que não se machuquem ou um não ‘abuse’ da boa vontade do outro. Nunca grite, brigue ou ameace, ao invés disso, oriente. Se o filhote está se excedendo, vá até ele e o afaste levemente do outro, quantas vezes forem necessárias para que ele se acalme um pouco e descubra que desta forma a brincadeira acaba. Se encontrar outros filhotes, coloque todos juntos e caso isso não seja possível, faça a ‘procissão’ com o seu, de casa em casa, o máximo de vezes que conseguir.

Muitas pessoas aconselham a deixarem os cães “se resolverem”. Esta opção é, sem dúvida, uma das piores encontradas. Assim como supervisionamos crianças e não deixamos que briguem entre si, não podemos deixar que isto ocorra com nossos cães. Certamente ele associará a presença de outros cães com apanhar ou bater.

View this post on Instagram

Cães que só vivem em ambientes restritos e com poucos passeios tendem a ficar hiperativos e pouco sociáveis, tornando-se destrutivos e agressivos. Eles devem ter diversão! > > Caso não consiga manter uma rotina de passeios, entre em contato conosco! > > Siga @matilhafieloficial > > Já viu nosso site? www.matilhafiel.com.br Nosso face? facebook/matilhafiel #matilhafiel #passeadoresdecaes em #boituva #matilhafiel #boituva #caozinhofofo #cachorro #pet #animais #dogs #donosdepet #donosdepetsentenderão #cão #cachorros #amoosanimais #filhotes #viralatas #viralatalovers #viralata #doggroomer #animaissaoanjos #amoanimais #boituvaparaquedismo #respeito #dicas #respeiteseucachorro #vet #veterinária

A post shared by Matilha Fiel (@matilhafieloficial) on

3. Associe positivamente com petiscos

Carinho não é suficiente no passeio, a passagem por portões com cães agressivos ou latindo e cães que passem na guia com seus donos. Pare a uma distância segura (que ele não apresente sinais de medo) e ofereça petiscos. Pode também induzir os comandos que ele já está aprendendo (já está, né?), como Senta, Deita, Dá a Patinha. O desempenho, neste momento, é irrelevante. O objetivo é conseguir que se concentre em nós enquanto o outro cachorro do portão se esgoela ou passa na guia. Crie uma lista de estímulos, por exemplo:

  • Ônibus
  • Motos
  • Caminhão de lixo / gás
  • Outros animais
  • Pessoas que se aproximam com bolsas, chapéu, guarda-chuva, capa de chuva
  • Mendigos
  • Multidões
  • O que mais puder identificar como estímulos.

Andar 20 min no meio de multidões já é um exercício mental imenso, que vai deixá-lo exausto. Sempre faça associações positivas.

Com pessoas:

1. Além de oferecer petiscos para seu cão na presença das pessoas de diferentes idades, etnias e alturas, peça para essas pessoas oferecerem petiscos para ele. Exemplos:

  • Pessoas de diferentes etnias
  • Pessoas com alturas diferentes, de terno, homens, mulheres
  • Porteiros
  • Carteiros (!)
  • Varredores de rua
  • Idosos
  • Crianças – Chame crianças para brincar de bolinha com seu cãozinho. Ele vai adorar! Conselho: escolha crianças mais calmas e com mais de quatro anos de idade
  • Etc.

Uma vez só é suficiente? Não! Faça isso pelo menos 2 ou 3 vezes por semana. Após um mês, pode diminuir o ritmo.

Tenha paciência, pois vai dar trabalho!

Porém, ao final desse trabalho, você dificilmente terá problemas de agressividade e medo e ainda terá um cãozinho equilibrado por toda a vida. Um cão bem socializado consegue ser seguro o suficiente para resolver suas ‘questões’ sem precisar usar agressividade. Na maioria dos casos, a agressividade é fruto do medo daquilo que o cão não conhece ou possui uma associação ruim e quer repelir.

Cada cão é único e pode apresentar reações diversas aos diferentes estímulos. Cabe ao dono trabalhar cada uma delas. Você é a pessoa que mais conhece seu cão e, depois de alguma observação, conseguirá identificar com facilidade o que precisa socializar.

Uma boa socialização é, sem dúvida, o melhor investimento que você pode oferecer ao seu cão. Além de ser divertido você evitará problemas futuros e terá um cão equilibrado e seguro.

Faça uma lista de itens que você considera importantes que o seu cão saiba se relacionar e utilize esta lista como um guia para uma socialização planejada e bem feita.

Fontes e Indicação de leitura:

https://www.bayerpet.com.br/caes/comportamento/comportamento-cao/

https://www.tudodecao.com.br/como-socializar-caes

http://g1.globo.com/sp/bauru-marilia/mundo-pet/2014/noticia/2014/12/mundo-pet-evolucao-dos-caes-ate-se-tornarem-animais-de-estimacao.html

https://www.adimaxpet.com.br/noticias/curiosidades/3-coisas-que-os-caes-podem-perceber-nos-humanos