Cinomose: virose em cães tem cura, mas pode ser fatal

O tempo esfriou e você quer ficar mais quieto e aquecido. É importante comer bem, tomar muito líquido e cuidar da imunidade para evitar pegar uma gripe ou outras doenças que aparecem no tempo frio. Com nossos cãezinhos a história é a mesma, mas as precauções devem ser ainda maiores. É nesta época do ano que a cinomose, uma doença com alto índice de mortalidade, mais ataca. E para combater esse mal, transmitido no ar por um vírus, suas armas são o conhecimento da doença, a observação do seu amigo de quatro patas e a vacinação.

 

O que é cinomose?

A cinomose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da Família Paramyxoviridae, também chamado de CDV (Canine Distemper Virus), do gênero Morbilivírus, que ataca o trato respiratório, digestivo e neurológico dos cães – grande maioria ainda jovem ou idosa não imunizada.

É uma doença altamente contagiosa entre os cães, sendo causada por um vírus que sobrevive por muito tempo em ambiente seco e frio, e menos de um mês em local quente e úmido. É um vírus muito sensível ao calor, luz solar e desinfetantes comuns e que acomete principalmente os filhotes (antes de 1 ano de vida). Ela pode atingir vários órgãos, ou seja, é sistêmica, podendo atuar em todo o organismo. Às vezes cães mais velhos também podem ter cinomose, normalmente porque não tomaram as vacinas necessárias ou porque estão com a imunidade baixa.

 

Como ocorre a transmissão da cinomose?

A transmissão da doença pode acontecer de forma direta, pelo contato por secreções de cachorros já infectados, ou de forma indireta, através das vias respiratórias pelo ar contaminado ou através do contato com algum objeto que possui o vírus alojado, pelo contato com secreções, urina e fezes infectadas pelos animais doentes. Além disso, casinha, cobertores e alimentos dos animais infectados também são fontes de infecção.

Vale lembrar que o contato não necessariamente precisa ser direto/ próximo. A infecção pode acontecer, por exemplo, quando passeamos com nosso pet em locais pelos quais passaram animais doentes que eliminaram o vírus na rua, em parques ou outros locais públicos. Essa é uma das razões que nós da Matilha Fiel sempre passeamos com nossos cães clientes após terem tomado as principais vacinas, além disso, fazemos o acompanhamento das vacinas, para alertar os tutores dos períodos de vacinação, de acordo com a caderneta de vacinação pet.

A contaminação da cinomose é mais frequente em filhotes de cachorro, principalmente aqueles entre três e seis meses – já que é nessa fase onde a quantidade de anticorpos recebidos da mãe diminui e nem sempre sua carteira de vacinação está completa, o que deixa o organismo mais vulnerável.

Sintomas

Um dos sintomas da cinomose são as mioclonias.

A doença tem quatro fases: cutânea, digestiva, respiratória e nervosa. Elas não ocorrem necessariamente nessa ordem, e alguns cães podem não passar por todas as quatro. Veja os sintomas característicos de cada uma:

  1. Cutânea:

  • Bolinhas com pus na região do abdômen (pústulas), similares a espinhas
  • Almofadas das patas e nariz ficam grosseiras e ásperas (hiperqueratose dos coxins)
  1. Digestiva:

  • Diarreia
  • Diarreia com sangue nas fezes
  • Febre
  • Fraqueza (prostração)
  1. Respiratória:
  • Secreção nasal
  • Tosse com catarro
  • Olho seco com remela (ceratoconjuntivite seca)
  1. Nervosa:
  • Tremores
  • Falta de coordenação motora
  • Contrações musculares involuntárias (mioclonias)
  • Não conseguir ficar de pé
  • Perda de movimentos total ou parcial
  • Convulsões
  • Uivos, choro e gritos.

Em muitos casos, os sintomas da cinomose só chamam a atenção do tutor na fase neurológica, quando a doença está em um estágio avançado. Quanto mais se desenvolve, mais difícil se torna o tratamento do cachorro com cinomose, e infelizmente maior é o seu sofrimento.

Portanto, fique sempre atento aos sinais do seu pet e procure seu veterinário o mais rápido possível.

 

Qual o tratamento para a cinomose?

Não há medicamentos antivirais eficazes para combater a doença. No entanto, o tratamento consiste em tratar os sintomas causados nos diferentes sistemas acometidos:

  • Antibiótico e antipirético para as infecções secundárias no sistema digestório e respiratório, além de aliar expectorantes, bronco dilatadores e antieméticos.
  • Soro (fluido terapia), para corrigir a desidratação causada pela diarreia.
  • Anticonvulsivante para as crises convulsivas devido ao acometimento do sistema nervoso.
  • Suplementos nutricionais e terapias alternativas, como a acupuntura, para melhorar a resposta imunológica do animal para combater o vírus também são utilizados.

Como prevenir a cinomose?

Cinomose em cães: saiba como proteger seu filhote

Basta realizar a vacinação anual do seu cachorro. A vacina para cinomose está dentro do pacote oferecido pelas vacinas V8, V10 e V11. No caso de filhotes, devem receber três a quatro doses da vacina a partir de 45 dias de vida, com intervalo de 21 a 30 dias entre as aplicações. Apenas depois da última dose seu sistema imunológico estará apto a combater o vírus caso haja contato com ele, sendo liberados os passeios na coleira.

A melhor solução ainda é a prevenção, ou seja, vacinar corretamente.

Obs: Na enorme maioria dos casos não se aconselha a vacinar um animal suspeito de ter a doença. A vacina, nestes casos, pode “sabotar” o combate do animal à doença, já que também sobrecarrega o sistema imune em um primeiro momento.

 

Confira esse vídeo com mais informações:

Fontes de Indicação de leitura:

https://www.petlove.com.br/dicas/cinomose-o-que-e-sintomas-tratamento-e-cura

http://www.homeopatiaveterinaria.com.br/cinomose.htm

https://g1.globo.com/mg/vales-mg/eobicho/noticia/2019/03/10/entenda-as-formas-de-prevencao-e-tratamento-da-cinomose-em-caes.ghtml

https://anda.jusbrasil.com.br/noticias/369942701/cinomose-canina-tem-cura

https://zoetis.com.br/prevencaocaesegatos/posts/c%C3%A3es/cinomose-o-que-voc%C3%AA-precisa-saber-para-um-diagn%C3%B3stico-assertivo-e-eficiente.aspx

https://mytxai.pet/blog/saude/cinomose-um-alerta-para-seu-filhote/

https://microchemlab.com/microorganisms/canine-distemper-virus

 

Veja também

Deixe um comentário