Hachiko, símbolo eterno da lealdade canina

Publicado por JPS em

Por aproximadamente 10 anos contínuos o devotado Hachi-ko retornava a estação de trem de Shibuya, mais precisamente no horário do desembarque do trem em que Ueno chegava, na esperança de encontrar seu mestre.

Provavelmente você faz parte das milhões de pessoas que se emocionaram com o filme ‘Sempre ao seu lado’ de 2009, que conta a linda história de amizade entre o cão Hachiko e seu dono, o professor universitário Parker, vivido pelo ator Richard Gere, certo?

Mas se você quer saber mais sobre a verdadeira história de amor e lealdade entre eles… Parabéns! Você está no lugar certo.

Cena do filme “Sempre ao seu lado”, estralado por Richard Gere

Cena do filme “Sempre ao seu lado”, estralado por Richard Gere

O amor não se vê com os olhos mas com o coração. – William Shakespeare

Conheça a história de Hachiko

Hachiko nasceu em Novembro de 1923 em Odate, na provincia de Akita, no Japão e no ano seguinte o professor Ueno o trouxe para Tokyo. Desde então, ele seguia o professor Ueno a todos os lugares, inclusive acompanhando-o à estação de trem de Shibuya toda manhã onde esperava por seu retorno até o final da tarde.

A verdadeira história de uma amizade além da vida…

Porém um dia, em maio de 1925, o professor Ueno não voltou pois sofreu um ataque fulminante enquanto trabalhava e faleceu. Hachiko foi doado pela Senhora Ueno para alguns parentes do professor, entretanto ele escapava constantemente, aparecendo com frequência na sua antiga casa.

Depois de um certo tempo, aparentemente Hachi-ko se deu conta de que o professor Ueno não morava mais ali. Então tornou a procurá-lo na estação de trem onde sempre o esperava enquanto ele ia trabalhar. Dia após dia ele aguardou pelo retorno do seu amigo e mestre entre os apressados passageiros que desciam do trem.

Busto de Hidesaburo Ueno (Universidade de Tóquio)

Busto de Hidesaburo Ueno (Universidade de Tóquio)

10 anos de vigília

A figura permanente do cão à espera de seu dono atraiu a atenção de alguns transeuntes. Muitos deles, frequentadores da estação de Shibuya, já haviam visto Hachiko e o Professor Ueno indo e vindo diariamente no passado. Percebendo que o cão esperava em vão a volta de seu mestre, ficaram tocados e passaram então a trazer pestiscos e comida para aliviar sua vigília.

Por aproximadamente 10 anos contínuos o devotado Hachi-ko retornava a estação de trem de Shibuya, mais precisamente no horário do desembarque do trem em que Ueno chegava, na esperança de encontrar seu mestre.

Hachi-ko fez isto até a sua morte em 8 de Março de 1935.

Censo de Akitas

Naquele mesmo ano, um dos fiéis alunos de Ueno viu o cachorro na estação e o seguiu até a residência dos Kobayashi, onde aprendeu a história da vida de Hachiko.

Coincidentemente o aluno era um pesquisador da raça Akita, e logo após seu encontro com Hachiko, publicou um censo de Akitas no Japão. Na época haviam apenas 30 Akitas puro-sangue restantes no país, incluindo Hachiko da estação de Shibuya.

O antigo aluno do Professor Ueno retornou frequentemente para visitar o cachorro e durante muitos anos publicou diversos artigos sobre a marcante lealdade de Hachiko.

Símbolo nacional

Em 1932 um desses artigos, publicado num dos maiores jornais de Tóquio, colocou o cachorro em evidência. Hachiko se tornou sensação nacional. Sua devoção à memória de seu mestre impressionou o povo japonês e se tornou modelo de dedicação à memória da família. Pais e professores usavam Hachiko como exemplo para educar crianças

À esquerda: Estátua de Ueno e Hachiko (Tsu, Mie Ken) À direita: Estátua de Hachiko (Odate, Akita Ken)

À esquerda: Estátua de Ueno e Hachiko (Tsu, Mie Ken) À direita: Estátua de Hachiko (Odate, Akita Ken)

1º monumento em honra

As contribuições choveram de todo o país para homenagear o cão que conquistou o coração da nação japonesa. Com o dinheiro das doações, contrataram o Escultor Takeshi Ando para criar uma estátua de bronze de Hachiko para simbolizar a fidelidade e lealdade lendária do cão.

hachiko

2º e 3º monumento em honra

No entanto, depois da guerra, em 1948, Teru Ando, filho do escultor original, esculpiu uma nova estátua de Hachiko, e esse permanece até hoje na estação de Shibuya. Além disso, em 2004, uma outra estátua dele foi colocada na frente do Akita Dog Museu em Odate, cidade natal de Hachiko.

a_vida_com_o_professor

8 de abril

Todo ano em 8 de abril ocorre uma cerimônia solene na estação de trem de Shibuya, em Tóquio. São centenas de amantes de cães que se reúnem em homenagem à lealdade e devoção de Hachiko, fiel companheiro do Dr. Eisaburo Ueno, um professor da Universidade de Tóquio.

Os restos mortais de Hachi-Ko encontram-se sob a guarda do Museu Nacional da Ciência do Japão. Lá pode ser observado corpo empalhado de Hachi-ko .

hachiko-do-museo

Hachiko_in_National_Museum_of_Nature_and_Science

Na atualidade, viajantes que passam pela estação de Shibuya podem comprar presentes e recordações do seu cão favorito na Loja localizada no Memorial de Hachiko chamada “Shibuya No Shippo” ou “Tail of Shibuya”. Um mosaico colorido de Akitas cobre a parede perto da estação.

 Hachiko em Shibuya

A efígie, esculpida em bronze e que repousa sobre um pedestal de granito, ergue-se como uma silenciosa prova do lugar ocupado pelos Akitas na história cultural e social do Japão.

Akita- saúde, felicidade e vida longa

Ao nascimento de uma criança, a família recebe uma estatueta de Akita como desejo de saúde, felicidade e vida longa. O objeto também é considerado um amuleto de boa sorte. Quando há alguém doente, amigos dão ao enfermo esta estatueta, desejando pronta recuperação.

Por causa desse zelo, o Akita se tornou Patrimônio Nacional do povo japonês, tendo sido proibida sua exportação. Se algum proprietário não tiver condições financeiras de manter seu cão, o governo japonês assume sua guarda.

A última foto da Hachiko. Aquele cão que esperou o dono morto na estação por quase 10 anos. Exemplo de lealdade que falta a muitos seres humanos. A foto foi tirada em 8 de março de 1935. Hachiko tinha 11 anos.

Uma nova estátua de bronze reúne Hachiko e seu dono

A comovente história de Hachiko atravessou gerações e já está completando o 81º aniversário da sua morte. Ao mesmo tempo, trata-se do 90° aniversário do falecimento do seu dono, o professor Hidesaburo Ueno, que dava aulas na Universidade de Tóquio.

Em homenagem ao professor Ueno e seu fiel amigo, Hachiko, será erguido uma nova escultura de bronze no departamento de agricultura da Universidade de Tóquio. Enfim, após 8 décadas, ocorre finalmente o tão esperado reencontro de Hachiko e seu dono. 🙂

Nova estátua representando o reencontro de Hachiko e seu dono

Nova estátua representando o reencontro de Hachiko e seu dono

Assista o filme original – Hachiko Monogatari 1987

Assista o Remake de 2009 – Sempre ao Seu Lado

Fonte:

https://www.japaoemfoco.com/

https://pt.wikipedia.org/

https://www.peritoanimal.com.br


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *